quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Sinto-te*


"Quando te vais embora
cai sobre mim um nevoeiro
que me gela a pele
e entorpece a alma...
volta depressa...
para que o meu corpo seja de novo
sol."

maria loBos`
*
Foto tirada pela filhota nova*

20 comentários:

mfc disse...

As saudades são isso mesmo!

A foto está liiiinda!

Nuno disse...

Este sentimento, só podia ser contemplado com uma bela imagem.

Parabéns*

Rui disse...

O que seria o "mundo da gente", se não pudéssemos sentir o sol a emergir por entre a dormência das madrugadas...
:))
Bjoka.

BlueShell disse...

Uma bela foto da filha que combima com o texto maduro a mãe: parabéns. BS

Pedrasnuas disse...

Vai mas volta...e quando vai leva-te no coração!!!Não desesperes! Beijinho

Lilá(s) disse...

As ausências são sempre dolorosas mas, compensatórias com o regresso...
Bjs

Uma estrela errante disse...

sorrindo :))



beijinho

Ramos disse...

Parabéns - gosto!

ponto e virgula disse...

e será concerteza embora, esta foto transpareça a beleza (também) desse nevoeiro escondendo aconchegos para serem vividos.


a...té

jardinsdeLaura disse...

Um pequenino poema duma tão grande beleza! Gostei

Eduardo Aleixo disse...

Pensamento sobre a dor da separação do bem amado. Do apelo ao seu regresso. Poema simples de amor. Nada mais é preciso para que a poesia aconteça. E com qualidade.

Alda disse...

Gostei imenso de ler este pequeno/ grande poema! Pequeno em palavras mas grande em sensibilidade.

Parabéns:)

Secreta disse...

Há ausências que nos levam o sol...
Beijito:)

aflores disse...

Um nevoeiro comum a todos que sentem e amam.

Tudo de bom.

Baila sem peso disse...

pois é assim nina
um nevoeiro
que me tem servido de travesseiro...
(as tuas palavras quentinhas
têm o poder de aquecer alminhas):)
logo que possa "falo" ctigo!
agora sinto-me de castigo!!!:(
Tudo vai bem por teu cantinho?
O Duarte já tá um rapazinho?!:))

brisas suaves nina*

Eduardo Aleixo disse...

Vim fazer uma visita.
A este canto de ternura.
Onde por detrás do nevoeiro
Só se vê sol e verdura.

-

Brisa folgazona.

poetaeusou . . . disse...

*
o calor da presença,
transforma,
nevoeiros, brumas e neblinas,
em orvalhos reluzentos !
,
solarengas conchinhas,
ficam,
*

Nilson Barcelli disse...

E o sol é a vida...
Belo poema, gostei muito.
Beijos, querida amiga.

Eduardo Aleixo disse...

O nevoeiro
Com palavras tão cristalinas
É branco e fofo
Como a flor do noveleiro.

© Piedade Araújo Sol disse...

desaparecida?!

deixo beij